RSS Feeds

Os perigos da soberba

Por Mauro Santayana

Se o homem é a sua circunstância, a circunstância de José Serra é São Paulo. É conhecido o orgulho do grande estado, com desenvolvimento econômico que supera o de numerosos países europeus, sua cultura cosmopolita, e a oportunidade de realização pessoal de muitos dos que procuram ali a sua sorte. Todas essas qualidades do povo de São Paulo distanciam o estado do resto do país. Talvez por isso mesmo, as suas elites, ressalvadas as exceções, não saibam exatamente o que é o Brasil. Para isso, teriam que aceitá-lo. Da Avenida Paulista se vê melhor a City e a Place de la Bourse; seus telefones chamam mais Hong Kong e Shangai do que Aracaju e São Gabriel da Cachoeira. É provável que não seja exatamente assim, mas muitos paulistas dão ao resto do Brasil a impressão de que se sentem incomodados com a companhia dos demais estados.

Ainda agora estamos assistindo a uma dolorosa e inusitada campanha racista na internet, a partir de São Paulo, contra os nordestinos, a propósito da grande vitória de Dilma na região, embora os resultados eleitorais demonstrem que ela teria sido vitoriosa, mesmo que as eleições só ocorressem fora do Nordeste. A campanha ressuscita os fantasmas de 32, ao pregar, criminosamente, o separatismo. Esqueçamos, a fim de não turbar o raciocínio, a verdade de que São Paulo não se fez só: a inteligência, o trabalho e mesmo o capital dos demais brasileiros e dos imigrantes europeus ajudaram a erguer a sua economia.

Como a circunstância de José Serra é a que apontamos, temos a explicação para o desastrado pronunciamento que fez, diante da derrota. Faltou-lhe, naquele momento, a elegância que se espera dos grandes homens. Ele desdenhou o esforço feito – e reconhecido em todo o país – por Aécio, simplesmente ignorando-o. Agora, os mineiros se sentem outra vez afrontados.

Como Jânio, Serra falou em “forças terríveis”, anunciou, com suas metáforas, que continua candidato, falou em trincheiras, afirmou que o povo “não quis que fosse agora” e despediu-se com um “até breve”.

Alguns estão atribuindo a Aécio a derrota de Serra, embora o ex-governador de Minas tenha constrangido grande parte dos mineiros, ao solicitar votos a favor de quem os desdenhara, ao recusar a disputa democrática com Aécio junto às bases do PSDB. Aécio pode ter perdoado a Serra a aleivosia, mas os mineiros, não. E não se esqueça que Dilma nasceu em Belo Horizonte.

Espera-se que, passados os dias mais amargos do malogro eleitoral, José Serra recobrará a serenidade e entenderá que a sua biografia pode encerrar-se, sem nenhum desdouro, mesmo que não chegue à Presidência. Ele prestou assinalados serviços ao país, como líder estudantil, parlamentar e ministro da Saúde, e particularmente a São Paulo, como prefeito e governador, não obstante sua cumplicidade nas privatizações e na abertura do mercado financeiro. Para que volte a candidatar-se, é preciso que se dedique a conhecer realmente o Brasil. Conhecer não é visitar uma cidade ou outra, por algumas horas. É aceitar sua humanidade, ler os seus escritores, assimilar a fantástica sabedoria do povo, enfim, participar de seus sonhos, solidarizar-se e comover-se com seus sofrimentos – enfim, integrar-se em sua realidade.

É injusto reduzir o problema federativo brasileiro a um conflito entre Minas e São Paulo. Se São Paulo se orgulha em destacar-se do Brasil pela sua pujança econômica, Minas integra o todo brasileiro com alegria e sem qualquer constrangimento. Minas é o centro-oeste na margem esquerda do São Francisco; é o Nordeste nas duas margens do Jequitinhonha e na fronteira setentrional com a Bahia; é quase atlântica na Zona da Mata e no baixo Rio Doce. O conflito é entre a parcela mais soberba das elites paulistas e o resto do país.

« anterior próximo »

Comentários


Comentários

Mário Barros enviou em 03/11/2010 as 09:47:

De fato, o Sr. Serra demonstrou que apesar de enaltecer seu currículo e por mais simplório que possa parecer, ainda lhe falta entender que o Brasil é um todo e que São Paulo, inobstante sua reconhecida importância à Federação, é apenas parte e dependente das demais. Também concordo, e creio que Lula é um especialista no assunto, que o candidato derrotado, não conhece a “alma” de cada Região e por isso seu discurso se revela desassociado de nossa realidade.

Dona Zelite enviou em 03/11/2010 as 10:20:

Parabéns pelo comentário de muita maturidade e equilíbro!

Jeferson de Andrade enviou em 03/11/2010 as 10:24:

E o sul de Minas, é o que? Paulista?

Paulo Morani enviou em 03/11/2010 as 11:36:

DILMA pode começar a quebrar essa espinha dorsal nazifascista. Basta ir a São Paulo conversar com Goldman e Alckimin (que por sinal não gosta de serra). Vai lá e discute o fim do PCC. Quebra a barreira e põe serra no chinelo!

Alder Oliveira L. e Silva enviou em 03/11/2010 as 12:14:

Como sempre, seus artigos são irretocáveis!

João Bosquo enviou em 03/11/2010 as 12:16:

Se José Serra ouvir seus conselhos: conhecer o Brasil, além de ler os escritores, assimilar a sabedoria popular, poderia, assim como Lula, fazer sua caravana (quando o candidato saiu de ônibus percorrendo o Brasil) e, assim, estar junto ao povo... Por tudo que foi dito no início (orgulho, principalmente) não fará isso e vai continuar praticando a velha, velha política velha.

Carlos Bastos enviou em 03/11/2010 as 12:48:

O Governador eleito de Minas Gerais é do PSDB, o de São Paulo, também. Quem lucrou com a elição de Dilma, no Sudeste, foi Sérgio Cabral que é do aliado PMDB. Foram 60% de votos no Rio e 58% de votos em MG. É o Carioca, finalmente, votando com a cabeça em Brasília. Tivesse o PSDB lançado Aécio , não teria pra ninguém. Apostaram no paulista Serra e deu no que deu. Mas nem tudo está perdido para os paulistas.Resta o Tiririca...

CEDUB enviou em 03/11/2010 as 12:49:

O Governador eleito de Minas Gerais é do PSDB, o de São Paulo, também. Quem lucrou com a elição de Dilma, no Sudeste, foi Sérgio Cabral que é do aliado PMDB. Foram 60% de votos no Rio e 58% de votos em MG. É o Carioca, finalmente, votando com a cabeça em Brasília. Tivesse o PSDB lançado Aécio , não teria pra ninguém. Apostaram no paulista Serra e deu no que deu. Mas nem tudo está perdido para os paulistas.Resta o Tiririca...

ana paula enviou em 03/11/2010 as 13:51:

não sei se tenho como argumentar. certa vez, quando morava no rio grande do sul, ouvi a frase: "o Rio está de frente pro mar e de costas para o brasil." na hora, como carioca, me senti ofendida mas hoje compreendo. O Rio tem uma política própria também, mas não chegamos aos outros estados com soberba. Na verdade, e posso estar errada, acho que embora não os vejamos com clareza, acabamos por influenciar de alguma forma o resto do Brasil. Prova disso é que o lance de mestre nessas eleições se deu no Rio, com a Linda Bolinha de Papel! Depois disso se falou em mais alguma coisa? Pois é, sem revoltas separatistas, sem discursos ofensivos, sem menosprezar os outros entes federativos, só uma bolinha de papel, simbólica na calva do serra, mas refletindo a posição carioca com muito bom humor. Nessa onda veio o resto da federação e eu penso, São Paulo? pra que?

ezna dias enviou em 03/11/2010 as 14:16:

Adorei sua análise. Uma jovem do Maranhão nos falou que "a humildade é a virtude mais bonita de um ser humano". Fiquei encantada, pois jamais esperaria ouvir tal conceito de uma jovem. ás vezes a sabedoria está naqueles que menos esperamos. Jamais havia pensado em tal conceito. É sempre tempo de aprender. Obrigada. Ezna

Brasileira enviou em 03/11/2010 as 14:55:

Bom comentário! Infelizmente o paulista e paulistano nao sabem se ver assim. Nao é só mineiro. Eu, como carioca, quando fui a Sao Paulo, eles já comentam:"Olha como ela fala!" Temos que parar de ser bairiistas e achar que o melhor sotaque, a melhor cidade ...é nossa. O pré-sal está, em sua maior parte, no RJ, mas é do Brasil. Sao Paulo ganhou indútrias, muitas estrangeiras, e trabalhadores nordestinos. Nao é mérito de ninguém e é de todos! Somos um país! Isto temos que aprender e nao torcer um contra o outro ou sempre procurar os erros do outro. Silas de Oliveira, compositor carioca, exaltou o Brasil todo, inclusive SP, em sua Aquarela Brasileira. Olhe que exemplo!!!

Daniela enviou em 03/11/2010 as 15:05:

Pudemos perceber que a Dilma e o Lula amam o povo, abracam. O Nordeste foi lembrado. Vê-se as viagens Dila/Lula. Infelizmente o tucano ficou para o sul e os mais abastados:passeata em Copacabana, passeata em bairro de classe média-alta,... O povo queria alguém com a cara dele e o Serra nao foi a cara do pobre brasileiro.

Heleo enviou em 03/11/2010 as 15:09:

Com todo respeito ao seu comentário, não concordo que o candidato que se entitula "preparado", tenha prestado grandes serviços ao Brasil, pelo contrário, com a sua atitude de atropelar os próprios correligionários para atingir seus objetivos, no caso a presidência, demonstra nesse cidadão um desvio de conduta preocupante.

David Souza Quinteiro enviou em 03/11/2010 as 16:32:

Parabéns Doutor Mauro Santayana....

Marcelo J Mendes de Barros enviou em 03/11/2010 as 17:22:

Prezado Mauro Santayana, parabéns pelo belíssimo texto. Tempestivo, focado e centrado. Acabei de ler na site do Paulo Henrique Amorim, e não pude deixar de comentar. De tudo o que li e ouvi ao longo deste período este texto tocou-me a alma. O Brasil precisa, neste momento, de muitos textos como este, pois ele reflete a atenção de que um convalescente necessita (neste caso o nosso querido país). As feridas causadas pela absurda campanha que acabamos de assistir precisam ser curadas logo para que, mesmo deixando cicratizes, não venham a gangrenar... Creio (e encontrei eco no texto acima) que não cabem mais considerações sobre o que se passou, mas cabe urgência no cuidar atentamente deste momento, para resgatar, ou talvez construir mais solidamente, o sentido de unidade que nos liga a todos nós brasileiros, para além das cores, sejam elas religiosas, culturais, políticas, etc... Mais do que falar de trincheiras, batalhas, forças em conflito, e outras expressões que foram citadas à exaustão nestes últimos dias, precisamos falar de nossos escritores, nossos músicos, de nossa humanidade maravilhosa e única, de nossos sonhos em comum, como você fez com brilhantismo. Sou mineiro, do sul de minas, conterrâneo do grande Dantas Motta. Jovem vim para São Paulo, onde estudei, me casei, trabalhei e trabalho (como tantos outros brasileiros); portanto entendo bem seu enfoque, e sei (por vivência pessoal) o quanto é real. Parabéns e muito agradecido.

Washington enviou em 03/11/2010 as 17:27:

Excelente análise - Parabéns

Ana enviou em 03/11/2010 as 18:21:

Perfeito! Parabéns pela lucidez que transborda neste artigo e falta enormemente ao sr. Serra.

Ariosvaldo Batista Santos enviou em 03/11/2010 as 18:38:

Se é o caso, os Paulistas e aqueles que vive e pensa como tal, deveria pegar o boné, juntar-se na fronteira do México, para tentar a sorte do outro lado da fronteira, se tiver a sorte de não ser "fuzilado".

Maria Luiza Martins enviou em 03/11/2010 as 20:18:

APLAUSOS: excelente texto e é ist mesmo que o Serra precisa ouvir e ainda de Mauro Santayana o mais respeitado Colunista dos jornais, depois de Wausto Wolff. Parabens SANTAYANA ! Adoro tudo que fala, pois você pega o ponto da hora! E sempre correto e interessantíssimo de ler. adoro ler suas matérias. respeitosamente, mando-lhe abraços, Maria Luiza Martins

ANTHONY KUDSI RODRIGUES enviou em 03/11/2010 as 20:26:

CONCORDO COM O JORNALISTA MAURO SANTAYANA NO SENTIDO QUE O DISCURSO DO SERRA PARECE UMA DECLARAÇÃO DE GUERRA SEPARATISTA, POIS ELE FALOU: 1) QUE A LUTA ESTAVA SÓ COMEÇANDO(SERÁ SÓ LUTA POLÍTICA, O QUE NÓS ESPERAMOS?),2) QUE ESTAVA CAVANDO TRINCHEIRAS(ORA QUEM CAVA TRINCHEIRAS ESTÁ EM GUERRA, A LUTA POLÍTICA SE TRAVA NAS TRIBUNAS DO PAÍS),3) CITOU A PARTE FINAL DO HINO NACIONAL" MAS ERGUE DA JUSTIÇA A CLAVA FORTE..."(A ELEIÇÃO TRANSCORREU NA MAIS ABSOLUTA NORMALIDADE DEMOCRÁTICA, PORQUE ESTA AGRESSIVIDADE??); PORTANTO, SE ELE ESTÁ PENSANDO NUM NOVO 1932, PODE TIRAR O CAVALINHO DA CHUVA, POIS DESTA VEZ O RESTANTE DO BRASIL NÃO SE IMPORTARÁ EM QUERER QUE SÃO PAULO FIQUE NA FEDERAÇÃO, VÁ COM DEUS.

Sabrina enviou em 03/11/2010 as 20:30:

Perfeito!Antes de tudo, o Brasil é de todos e para todos..muito pobre essa divisão que algumas pessoas insistem em criar...nossa torcida não é para um partido ou outro, nossa torcida é pelo bem do país.

Cacilda Monteiro Gomes enviou em 03/11/2010 as 21:12:

"Não há comentários." Não há comentários porque é difícil comentar a verdade. O Santayana, mais uma vez, com a sua inteligência e integridade moral, nos brinda com um artigo de raro esplendor. E a verdade salta aos olhos, não está nas entrelinhas. Ao descrever como se conhece o Brasil, coloca a alma em seus escritos com a sabedoria de quem sente os sentimentos, não só dos brasileiros, mas da humanidade. Ele "manda" ler, cantar e, acima de tudo, solidarizar-se. Obrigada Santayana!

Marlon enviou em 03/11/2010 as 21:26:

Caro Mauro, simplesmente PERFEITA a análise!

Reynolds Cristian de Araújo enviou em 03/11/2010 as 21:46:

Mauro Santayana, muito obrigado pela parte que toca a nós, mineiros! Como você disse, o Aécio chateou-nos tentando enfiar, goela abaixo, o Serra de tantos Zés acompanhado do Índio de Que Brazil? A turma de São Paulo acha que pode tratar-nos como os donos cretinos tratam aos seus cachorrinhos meigos, chutando-os, já esperando a lambidinha de submissão. “Vamos ferrar ao Aécio, depois o convidamos para vice.” O pior ainda foi o Itamar Franco, então tido como nosso patrimônio e paradigma, esquecer tudo o que passou na época do FHC e Serra, inclusive dando entrevistas revoltadas aos jornais e TVs, irado e revoltado contra a dupla e agora, por puro destempero tentou ajudar ao Aécio a nos empurrar o Serra. Bem, em Juiz de Fora terra que recebeu Itamar como seu filho (Agora tenho certeza que ele é baiano) a Dilma deu de balaiada no Serra. Por que será? Esqueceram que nós mineiros somos independentes em nossas escolhas e não abrimos mão de nossa liberdade. Mais uma vez, muito obrigado. Reynolds, Belo Horizonte

lúcio asfora enviou em 03/11/2010 as 22:13:

Tão arraigado é o sentimento de brasilidade nos nordestinos que nos tornou impermeáveis a qualquer manifestação de preconceito contra nossos irmãos de outras regiões. Cultivamos, com o zelo do sertanejo pela flor do cacto, uma cultura incapaz de criar outra forma de tratar brasileiros de outros Estados que não seja por seus gentílicos. Se ocorre de virmos a ser o alvo, padecemos menos por nós do que pelo autor do agravo; pois o que é o preconceito senão uma grave doença moral? Pensei em escrever-lhe para parabenizá-lo por mais uma peça brilhante, mas me veio o impulso de estender-me, para compartilhar de suas impressões, e reforçá-las. Vivendo no Rio há quase sessenta dos meus 67 anos, permito-me testemunhar, pelas amizades com a gente mineira, algumas essenciais, tal qual ocorreu com meu pai, que desconheço outros que se comparem, naquelas qualidades, ao povo do Nordeste. Não haverá de ter sido mero capricho geográfico caber a Minas ocupar esse espaço único e privilegiado. E ninguém precisa nos ensinar o que sabemos de sobra: viemos de longe na formação do Brasil.

Rubens enviou em 03/11/2010 as 22:23:

Gostei de todo o texto. So achei que ele patina feio aqui: " (Jose Serra) prestou assinalados serviços ao país, como líder estudantil, parlamentar e ministro da Saúde, e particularmente a São Paulo, como prefeito e governador, não obstante sua cumplicidade nas privatizações e na abertura do mercado financeiro. " Quando o Brasil vai deixar de lado essa bobagem de demonizar as privatizacoes, que foram fundamentais para promover o desenvolvimento e aumentar o volume de investimentos nas areas privatizadas?... Quem, ainda hoje -- apenas para citar um exemplo --, gostaria de voltar ao quadro de caos que eram as telecomunicacoes no Brasil, antes das privatizacoes? De resto, concordo com toda a analise.

Pedro Lima enviou em 03/11/2010 as 23:31:

E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José ? Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho, já não pode beber, já não pode fumar, o bonde não veio, o riso não veio, não veio a utopia e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou, e agora, José ? sua biblioteca, sua lavra de ouro, seu terno de vidro, sua incoerência, seu ódio - e agora ? Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer ir para Minas, Minas não há mais. José, e agora ? Sozinho no escuro qual bicho-do-mato, sem teogonia, sem parede nua para se encostar, sem cavalo preto que fuja a galope, você marcha, José ! José, pra onde ? Sozinho no escuro qual bicho-do-mato, sem teogonia, sem parede nua para se encostar, sem cavalo preto que fuja a galope, você marcha, José ! José, pra onde ? [Prá Minas não dá!]

Eliel Miranda enviou em 04/11/2010 as 07:02:

Esta é uma prova mais cabal que a campanha do SERRA foi de um baixo nível terrível, coisa de facistas. Estes ataques nao vem com certeza de quem ganha as eleições e sim de quem não reconhece a derrota e nem a DEMOCRACIA, com pilar de uma sociedade moderna.

Ana Maria Cantalice Lipke enviou em 04/11/2010 as 07:46:

É preciso acrescentar que a pujança de São Paulo não vem apenas de imigrantes estrangeiros, mas também de uma imensa quantidade de nordestinos que ali trabalham e progridem. Como bem acentuado, Dilma venceria sem os votos do Nordeste e perdeu para o paulista Serra por menos de 2 milhões de votos. Também não surpreende a deselegância de Serra com seus parceiros( Aécio, Índio) e com a Dilma, a quem demorou a parabenizar pela brilhante vitória, como é de praxe. Ana Lipke

oswaldino albuquerque enviou em 04/11/2010 as 08:00:

Perfeito.Analise perfeita.Nada a acresentar.

Carlos alberto enviou em 04/11/2010 as 10:04:

Artigo, Crônica feita com sabedoria e inteligência. Parabens

VELLOSO2008 enviou em 04/11/2010 as 10:58:

SANTAYANNA: NA REALIDADE DOS FATOS QUE HORA ACERCA NOSSO PAÍS, FICA CLARO A MOTIVAÇÃO DESSA MOÇA AO ATINGIR OS NORDESTINOS COM DESDENHO. HAJA VISTA, QUE O PRÓPRIO GOVERNO OS TRATA TAMBÉM DESSA MANEIRA QUANDO OFERECE BOLSA ESMOLAS. O QUE RELMENTE NOSSOS IRMÃOS NORDESTINOS PRECISAM NUNCA FOI DITO E FEITO POR NENHUM GOVERNO. E SE NÓS TINHAMOS A "SUDENE" QUE NUNCA REFORMULOU NADA NAS BASES DESSES ESTADOS PARA AS MELHORAS DOS MESMOS, TEMOS A IMPRESSÃO QUE ESSA REGIÃO É E SEMPRE SERÁ O BOI DE PIRANHAS PARA QUE OS GOVERNANTES SE APODEREM DA MESMA PARA COM SEUS BARBANTINHOS E REZANDO NA CARTILHA DA CORRUPÇÃO DÊM VIDA AOS VOTOS QUE ELES QUEREM PARA SE REELEGEREM OU CONFESSAR SUAS FRUSTAÇÕES NO CAMPO POLÍTICO... O QUE A REGIÃO NORDESTINA E MESMO A REGIÃO NORTE PRECISA E O POVO QUER, É SIMPLESMENTE TRABALHO. E ISSO SÓ SERÁ POSSÍVEL SE OS GOVERNANTES TOMAREM VERGONHA NA CARA E COLOCAREM NESSAS REGIÕES INCENTIVOS PARA AS INDÚSTRIAS E O COMÉRCIO. SIM...! O POVO NÃO QUER ESMOLAS SEJA LÁ DE QUEM QUER QUE SEJA, POIS O BRIO DESSAS REGIÕES ESBARRAM NA FORÇA INEGUALÁVEL QUE É PRÓPRIA DOS NORDESTINOS E TAMBÉM DOS NORTISTAS. ATÉ ENTENDO A INDIGNAÇÃO DAQUELA MOÇA. O QUE REALMENTE A FÊZ ESCREVER AQUILO QUE JAMAIS PENSOU EM FAZER, FOI POR OBRA E PURA REFLEXÃO DOS NOSSOS POLÍTICOS SAFADOS POR NATUREZA. TEMOS SIM É QUE PERDOAR ESTA MOÇA E LUTAR PARA QUE O NOSSO PAÍS TENHA NOS POLÍTICOS O RESPEITO QUE TODAS AS REGIÕES MERECEM TER...! E SEM ESSA DE DISCRIMINAR A LIBERDADE E O DIREITO DE TODOS PEGANDO NA CONTRA-MÃO DA NAÇÃO EM CONFORMIDADE COM A PURA INOCÊNCIA DE QUASE A TOTALIDADE DA NOSSA QUERIDA NAÇÃO. E ASSIM TEREMOS A JUSTIÇA AGINDO PARA TODOS E MOSTRAREMOS QUE SOMOS AINDA UMA NAÇÃO LIGADA NOS PRECEITOS QUE ENVOLVE O PAÍS, QUE É O AMOR PELA PÁTRIA. JAMAIS UM PAÍS SERÁ SÉRIO SE A DESIGUALDADE SE PERPETUAR NO PODER E TIRAR DO PODER A GLÓRIA DE SE ALCANÇAR A MOTIVAÇÃO PARA SER O FILHO QUE A MÃE DESEJOU. NÃO A PUNIÇÃO A ESTA MOÇA, POIS, SE NÃO TEREMOS QUE ALCANÇAR O CIRCO DE BRASÍLIA E TIRAR DE LÁ AS RATAZANAS QUE HOJE INFESTAM A DIGNÍFICA PROSTITUTA DE UM PARTIDO QUE NUNCA FÊZ NADA PARA MELHORAR AS RELAÇÕES ENTRE SEU POVO...! E QUE DEUS NOS AJUDE...! VIVA O FIDEL OU SERÁ O FUDEL...!

Paulo Angelo do Vale enviou em 04/11/2010 as 12:18:

Todomundo sabe, pelo menos os mais esclarecidos, que o PSDB nunca teve nada de social democrata. è um partido conservador, nos moldes da antiga UDN, e, muitos dos seus elementos da inglória ARENA, serviçal da ditadura. O DEM, ex-PFL,ex PDS, ex-ARENA é aliado do PSDB. E que o Serra , candidato ex-socialista(?) deste grupo é um demagogo.A Dilma é autêntica.

elisa brum enviou em 04/11/2010 as 12:50:

É importante ressaltar que São Paulo é a metrópole mais nordestina do Brasil. Não só os emigrantes europeus lá se fixaram, mas a imensa massa de nordestinos responsável pela construção e, hoje, pela execuçao dos trabalhos mais penosos da capital paulista.

Neide Pessoa enviou em 04/11/2010 as 17:47:

Mais uma vez o nosso querido e respeitado colunista,Mauro Santayana ,cidadão do mundo,nos oferece uma análise serena e correta. Obrigada,amigo Mauro. Meu abraço mineiro. Neide Pessoa.

Maria Teles enviou em 05/11/2010 as 07:27:

Parabéns Santayana, pela lucidez do seu comentário. O que me conforta, é saber que milhoês de brasileiros, oriundos de todas as partes do Brasil, construiram São Paulo, estado que nos orgulha exatamente por ser essa aquarela brasileira. Conforta-me tambem, saber que essa xenofobia é muito pequena diante da grandeza do verdadeiro povo paulista. Esse tiroteio virtual, é o último recurso de quem não sabe perder para o pleno exercício da democracia. Viva o Brasil democrático!

Maria Teles enviou em 05/11/2010 as 09:15:

Parabéns Santayana, pela lucidez do seu comentário. O que me conforta, é saber que milhoês de brasileiros, oriundos de todas as partes do Brasil, construiram São Paulo, estado que nos orgulha exatamente por ser essa aquarela brasileira. Conforta-me tambem, saber que essa xenofobia é muito pequena diante da grandeza do verdadeiro povo paulista. Esse tiroteio virtual, é o último recurso de quem não sabe perder para o pleno exercício da democracia. Viva o Brasil democrático!

maria Lima enviou em 05/11/2010 as 16:06:

perfeita análise! Somente acrescento, que se o PSDB continuar vendo São Paulo como Brasil, também sairá derrotado nas eleições de 2014!

Hugo Freitas enviou em 05/11/2010 as 21:50:

Parabéns, mais uma vez, pois, como leitor assíduo de sua coluna, não me canso de aplaudí-lo, até porque, me identifico com o ideário nacionalista da mesma. Os paulis- tas são assim mesmo e, até no futebol, dá para sentir-se essa tendência ao bairrismo doentio e exclusivista. Fosse uma nação, sua política externa seria igual à pratica- da pelos EUA, o unilateralismo. Chega ao ri- dículo seu caipirismo ao repisar nos notici- rios a expressão: "maior da América Lati- na".


Comentar

:

:
: