RSS Feeds

7 de maio de 1990: O silêncio da Divina Elizeth Cardoso

Primeira página do Caderno B:  8 de maio de 1990
"Até as deusas podem morrer. A ausência de Elizeth Cardoso silencia uma das mais belas vozes de nossa música popular, um oceano pacífico que por mais de 50 anos encharcou seus fãs de poesia e majestade. Foi única, não por se esforçar numa frenética busca de originalidade, vício de muita cantora atual, mas simplesmente porque imprimia em sua voz de contralto, arranhada de prussianos erres, a mesma fibra do caráter com que encarou a juventude pobre e os amores falidos". Jornal do Brasil

Outra efeméride de 7 de maio
1945: Alemanha se rende aos Aliados

A cantora Elizeth Cardoso, 69 anos, morreu numa clínica em Botafogo, no Rio, onde estava em tratamento de um câncer de estômago, doença contra a qual lutou nos últimos três anos. Velada no Teatro João Caetano, a portelense e flamenguista pediu que sobre seu caixão repousasse uma bandeira rubro-negra e outra do Cordão do Bola Preta. Assim se fez.

Uma das mais belas vozes da MPB, nasceu no Rio em 1920. Os fãs da boa música devem eterna gratidão a Jacob do Bandolin, que a descobriu 16 anos depois. O sucesso chegou com a gravação de Canção de Amor (1949). Em 54 anos de carreira, a dama que esbanjava classe nos palcos, gravou mais de 60 LPs, imortalizando composições de grandes nomes da MPB, como Ary Barroso, Cartola, Lamartine Babo, Noel Rosa e Paulinho da Viola.

Precursora da invenção da Bossa Nova
Foi em uma de suas fases românticas que Elizeth contribuiu para deflagrar o movimento musical que sairia das salas dos apartamentos da Zona Sul carioca para ganhar o mundo: a Bossa Nova. Misturando sua interpretação com a poesia delirantemente apaixonada de Vinicius de Moraes, as melodias e os arranjos de Tom Jobim, e a batida diferente de João Gilberto, lançou Canção do amor demais. Estranha a princípio, a combinação insólita se transformou num clássico. Era o anúncio da chegada de um samba diferente que encantaria com sua harmonia sintetizada na voz e no violão.



Confira, clicando sobre os respectivos nomes abaixo, depoimentos sobre a Divina.
Herivelton Martins | Dorival Caymmi | Ademilde Fonseca | Hermínio Bello de Carvalho
Dona Ivone Lara | Marlene | Noca da Portela



Para ver imagens históricas de Elizeth Cardoso, é só curtir a Fan Page do CPDoc JB!

« anterior próximo »

Comentários


Comentários

Jorge enviou em 07/05/2013 as 19:13:

Lamentavelmente, cantoras deste quilate não existem mais. Saudosa lembrança.


Comentar

:

:
:



Hoje na História - Siga no Twitter!